LNNano - Brazilian Nanotechnology National Laboratory

Protótipo desenvolvido no LMF é avaliado em sede da Nova Analítica

Print this pageShare on FacebookTweet about this on TwitterEmail this to someoneShare on LinkedIn

Pesquisadores do Laboratório de Microfabricação, integrante do Laboratório Nacional de Nanotecnologia, realizaram no dia 06 de março de 2017 a instalação de um protótipo para a cromatografia gasosa bidimensional abrangente (GC×GC).

A técnica. A GC×GC tem sido exaustivamente utilizada na análise molecular de misturas orgânicas complexas, nas quais os sinais de centenas até milhares de compostos voláteis são resolvidos e detectados em uma única análise.

Princípio. A amostra é introduzida no instrumento de GC×GC, no qual seus constituintes são resolvidos utilizando duas ou mais etapas de separação por cromatografia gasosa. Assim, ao utilizarmos mecanismos de separação distintos, o ganho em resolução dos sinais é incomparável.

Princípio. A interface desenvolvida pelo grupo facilita, a princípio, a conversão de equipamentos comerciais em um sistema para GC×GC, independente de seu fabricante. Ainda, o princípio explorado, differential flow modulation, permite a execução de tais experimentos, sem a necessidade de fluidos criogênicos – comumente requerido na modulação térmica. Com isso, é possível agregar características ortogonais como excelência em análise química com fácil instalação e baixíssimo custo de operação/manutenção.

O trabalho. O modulador foi concebido após quase dois anos de estudo fundamental no campo de separações analíticas. Na primeira fase do projeto, os apoios da Nova Analítica e da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp, Auxílio 2015/05059-9) foram cruciais para o desenvolvimento desta interface. Hoje, o projeto iniciou a sua segunda fase, na qual o protótipo será avaliado pela Nova Analítica e sua equipe de engenheiros de aplicação. Segundo os coordenadores do projeto, Angelo Gobbi e Leandro Hantao, “em colaboração com a Analítica, esperamos criar um produto final acessível e robusto almejando o seu uso em aplicações rotineiras”. Em caso de sucesso, não só este será a primeira tecnologia desenvolvida no CNPEM a alcançar o mercado de consumo, mas também será o primeiro produto brasileiro a competir em um segmento dominado por empresas norte-americanas.

Aplicações. Os cientistas Augusto Guilhen, Marcia Vicentini, Rodrigo Passini, Rui Murer também integraram o time de desenvolvimento e realizaram aplicações em amostras complexas incluindo óleos essenciais, em colaboração com a pesquisadora Marcia Ortiz (Instituto Agronômico de Campinas), e derivados de petróleo, com o apoio do pesquisador Rogério Carvalho (Cenpes, Petrobrás).

*Publicações:

http://dx.doi.org/10.1021/acs.analchem.6b04413

http://dx.doi.org/10.1021/acs.energyfuels.6b00553