LNNano - Brazilian Nanotechnology National Laboratory

CNPEM é referência na técnica premiada pelo Nobel

Print this pageShare on FacebookTweet about this on TwitterEmail this to someoneShare on LinkedIn

Assessoria de Comunicação 25/10/2017

LabNetwork em 11/10/2017

O suíço Jacques Dubochet, o escocês Richard Henderson e o alemão Joachim Frank foram laureados com o Prêmio Nobel de Química de 2017 pelo desenvolvimento da microscopia crioeletrônica. De acordo com o comitê do Nobel, os três cientistas foram premiados “por desenvolver a microscopia crioeletrônica para a determinação de alta resolução das estruturas de biomoléculas em soluções”.

Em fevereiro, Marin van Heel, pesquisador do Laboratório Nacional de Nanotecnologia (LNNano), integrante do Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM), localizado em Campinas (SP), ganhou o prêmio Prêmio Wiley em Ciências Biomédicas, juntamente com dois dos vencedores do Nobel, Richard Henderson e Joachim Frank.

Marin também é um dos pioneiros da técnica e atua desde 2012 para consolidar a área de pesquisa em criomicroscopia eletrônica no Brasil, mais especificamente, no campus do CNPEM. Além de atuar no LNNano, van Heel é Professor Emérito da Universidade de Leiden, na Holanda, e do Imperial College, de Londres, na Inglaterra.

A criomicroscopia beneficia principalmente pesquisas nas áreas da Saúde, Farmácia, Química e Biologia. Com resolução próximas à escala atômica, a técnica gera dados que podem ser a base para o desenvolvimento de novos medicamentos, por exemplo.

Criomicroscopia no Brasil

O CNPEM tem investido na área de criomicroscopia há alguns anos. Em 2012, por meio de uma bolsa do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) na modalidade Pesquisador Visitante Especial, Marin van Heel juntou-se à equipe do Centro para consolidar a área de pesquisa em criomicroscopia eletrônica no Brasil.

A iniciativa do CNPEM contempla uma infraestrutura pioneira na América Latina, que contará com três microscópios eletrônicos de transmissão abertos à comunidade científica. Dois equipamentos já estão instalados – um deles está aberto a usuários externos e o outro será disponibilizado ainda em 2017. Ambos foram adquiridos com recursos do Sistema Nacional de Laboratórios em Nanotecnologia (SisNano). O terceiro equipamento, de alto desempenho para criomicroscopia eletrônica, deverá estar disponível em 2018.

Para treinar os pesquisadores na técnica, Marin e a equipe do LNNano organizam a cada dois anos o evento “Brazil School for Single Particle Cryo-EM”, escola que terá sua próxima edição em 2018.